Estudo “Reforçar as PME e o empreendedorismo para a produtividade e o crescimento inclusivo”

Estudo “Reforçar as PME e o empreendedorismo para a produtividade e o crescimento inclusivo”

OCDE

A OCDE divulgou o estudo “Reforçar as PME e o empreendedorismo para a produtividade e o crescimento inclusivo” sobre PME, o empreendedorismo e os empresários, temas fundamentais na abordagem da inovação, do crescimento económico e da criação de emprego e que desempenham um papel fundamental na coesão social.

As PME representam 99% de todas as empresas, gerando cerca de 60% do emprego e entre 50% e 60% do valor agregado na área da OCDE. São instrumentais para garantir que as economias e as sociedades se adaptam às grandes transformações, como a digitalização, a globalização, o envelhecimento e as pressões ambientais. Para reforçar as contribuições das PME, a política deve trabalhar para resolver as ineficiências e barreiras que podem estar a atrasar o empreendedorismo e o desenvolvimento de pequenas empresas, e facilitar o acesso das PME a recursos estratégicos numa economia global e digitalizada, como o financiamento, competências e redes de inovação.

Algumas PME estão na fronteira da produtividade e entre as empresas mais inovadoras, impulsionando novas indústrias. Essas empresas podem explorar oportunidades tecnológicas ou comerciais que foram negligenciadas por empresas maiores e possibilitar a comercialização de conhecimento gerado por organizações de pesquisa e desenvolvimento. As start-ups são uma fonte importante de inovações disruptivas, especialmente em setores como software, nanotecnologia, biotecnologia e tecnologias limpas, inclusive por meio da crescente pressão competitiva exercida sobre as empresas estabelecidas. Em termos mais gerais, as PMEs são frequentemente um canal essencial para a difusão e adaptação de inovações a diferentes contextos. O contributo das PME para a inovação aumentou nas últimas décadas. A inovação empresarial é frequentemente o resultado de esforços colaborativos nos quais as empresas interagem e trocam conhecimento e informações com outros parceiros como parte de sistemas de inovação mais amplos. Esta mudança para um paradigma de “inovação aberta”, também em parte facilitado pela transição digital, reduziu a necessidade de investimentos de capital relacionados com a inovação e facilitou a participação em atividades inovadoras por parte das PME. No entanto, exige que as PME reforcem a sua capacidade de explorar e participar em redes de inovação, e as políticas podem desempenhar um papel importante a este respeito.

O acesso às formas apropriadas de financiamento é uma condição fundamental para permitir que as pequenas empresas se iniciem, se desenvolvam e cresçam. Embora o acesso das PMEs aos empréstimos bancários tenha recuperado amplamente desde a crise financeira, as falhas de mercado e os desafios estruturais permanecem, incluindo assimetrias de informação, altos custos de transação no serviço das PME e falta de conhecimentos financeiros entre os pequenos empresários. As políticas que ajudam a ampliar a gama de instrumentos de financiamento disponíveis para as PME e os empresários podem aumentar a resiliência das PME às mudanças nas condições dos mercados de crédito e melhorar a sua contribuição para o crescimento económico. 

(no sumário executivo)

 24/07/2019

Fonte:SGECONOMIA



Chinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseSpanish
%d bloggers like this: