Índia - CEVAL
17319
post-template-default,single,single-post,postid-17319,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
 

Índia

Índia

Índia

Mercado

A Índia é hoje uma das mais importantes economias emergentes da Ásia, com uma crescente participação na cena política e comercial a nível internacional. O país registou o sétimo maior produto interno bruto (PIB) mundial, em termos nominais, em 2016 e situou-se na segunda posição em número de habitantes em 2017. Segundo dados do EIU – The Economist Intelligence Unit, em 2017, a população era de 1 339 milhões de pessoas, sendo o PIB per capita estimado de 1 890 USD.
A economia indiana é muito diversificada, com enormes discrepâncias, que conjuga uma agricultura tradicional com uma ampla gama de indústrias modernas e uma multiplicidade de serviços desenvolvidos, principalmente nos últimos anos, com grande relevância económica.
Estima-se que o incremento do produto interno bruto tenha sido de 6,7% em 2017 e prevê-se um acréscimo de 7,7% para 2018. Perspetiva-se que a Índia possa ser das economias de maior dimensão a que apresente um maior ritmo de crescimento nos próximos cinco anos, contribuindo, para isso, a forte procura ao nível do consumidor e o aumento das despesas em infraestruturas públicas.
A Índia foi o 20º exportador mundial, o 14º importador e o 11º recetor de investimento direto do exterior em 2016.
No relacionamento económico bilateral, a Índia tem maior importância como fornecedor do que como cliente de Portugal. Esse país ocupou a 47ª posição no ranking de clientes das exportações portuguesas de bens em 2016, situando-se no 17º lugar enquanto fornecedor. Apesar das exportações portuguesas para a Índia terem aumentado 16,9% em 2016, face ao ano anterior, o montante das exportações nesse ano situou-se aquém dos valores registados de 2012 até 2014. Verificou-se um acréscimo das exportações de 27,5% no período de janeiro a novembro de 2017, face ao período homólogo de 2016. O número de empresas portuguesas exportadoras de produtos para a Índia aumentou de 2012 para 2016, registando-se um acréscimo de cerca de 28%.
Ao nível das trocas comerciais, nos últimos anos a regulamentação que incide sobre as exportações e importações tem sido liberalizada, com grande parte das restrições quantitativas, licenças e controlos discricionários sobre as trocas comerciais a serem substituídos por processos de desregulamentação e simplificação de procedimentos. Em abril de 2015 entrou em vigor a nova Política de Comércio Externo 2015/2020 (versão atualizada em dezembro de 2017), destinada sobretudo a promover as exportações indianas de bens e serviços, gerar emprego e aumentar o valor acrescentado do país através do Make in India, com o Governo focado em apoiar os setores da produção e dos serviços, dando especial enfase à melhoria do ambiente de negócios (por exemplo, com a simplificação das formalidades de exportação/importação). Apesar das reformas adotadas, e de hoje em dia grande parte dos produtos ser de importação livre, para alguns continua a ser necessário obter licenças de importação, existindo bens cuja importação é proibida.

+ conteúdos sobre a Índia

16/02/2018

Fonte:AICEP

Partilhar:



Chinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseSpanish
%d bloggers like this: