Novas tipologias de apoio à Inovação nas empresas | CEVAL
23092
post-template-default,single,single-post,postid-23092,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
 

Novas tipologias de apoio à Inovação nas empresas

Novas tipologias de apoio à Inovação nas empresas

Novas tipologias de apoio à Inovação nas empresas

Financiamento

 

O Portugal 2020 introduziu algumas novidades que começam agora a ser operacionalizadas, nomeadamente, os clubes de fornecedores e os laboratórios colaborativos.

O conceito de clubes de fornecedores desenvolve-se em torno de uma empresa âncora com forte posicionamento nas cadeias-de-valor globais e que podem alavancar o desenvolvimento e a sofisticação das PMEs portuguesas, bem como contribuírem para melhorar o seu posicionamento nessas cadeias-de-valor. Com esta iniciativa, pretende-se que uma grande empresa identifique oportunidades e necessidades que induzam um efeito trator quer de crescimento, quer de qualificação das PMEs, induzindo a sua modernização e transformação competitiva. Como primeira concretização destes objetivos, foram abertos concursos com uma dotação de 95 milhões de Euros FEDER para apoiar o clube de fornecedores da Bosch, cujos beneficiários estão já identificados. Esta nova modalidade deverá ser replicada num modelo de crescente clusterização e integração das empresas com vista a elevar o valor acrescentado nacional.

No caso dos laboratórios colaborativos, o objetivo desta medida é a aproximação entre entidades de investigação e empresas num espaço colaborativo de investigação, promovendo o reforço das interações e otimizando a rentabilidade do investimento público e privado em I&D em resultado das sinergias geradas. O regulamento prevê que estes laboratórios sejam promovidos por associações privadas sem fins lucrativos (que associem empresas e unidades de investigação ou centros de interface) ou empresas, com o objetivo de responder à necessidade de intensificar em conhecimento a economia nacional, aproximando o setor produtor de conhecimento do setor utilizador, contribuindo para consolidar o sistema de inovação e fomentar as interações entre atores.

As duas iniciativas supra identificadas estão contempladas no Programa Interface, as quais são consideradas relevantes para o desenvolvimento da economia portuguesa e competitividade das empresas, na medida em que, facilitarão a transferência de conhecimento e a contratação de recursos humanos altamente qualificados.

 

Fonte:Cristina Cardoso Consulting

 



Chinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseSpanish
%d bloggers like this: