fbpx
 

Precisa de financiamento para a sua empresa? Conheça estas soluções alternativas

Precisa de financiamento para a sua empresa? Conheça estas soluções alternativas

Está a pensar em arrancar com o seu projeto ou simplesmente necessita de uma ajuda financeira para potenciar o seu negócio? Sabia que, além das tradicionais fontes de financiamento – as entidades bancárias –, existem outras formas que tendem a ser menos burocráticas e, por sua vez, mais rápidas de garantir esse apoio.

Atualmente existem alternativas para financiar a sua ideia, projeto ou negócio sem precisar de recorrer a linhas de crédito ou empréstimos, que poderão trazer demasiada pressão ao negócio a longo prazo. Neste artigo, o ComparaJá.pt reuniu alguns exemplos de conseguir

No que toca a empréstimos existem várias opções. Pode recorrer a um crédito empresarial tradicional (disponível na maioria dos bancos) ou, em alternativa, pode optar por um crédito pessoal sem finalidade. Esta última é uma opção aberta aos Empresários em Nome Individual (ENIs). Terá menos burocracia a justificar a alocação de recursos, todavia as taxas de juro cobradas também são mais elevadas.

  1.   Investidores

Também conhecidos por business angels, estes investidores geralmente já têm alguma experiência no mundo empresarial e apostam diretamente em pequenos negócios que acreditam ter potencial de crescimento. Através do seu apoio financeiro dão a oportunidade a novos empresários de seguirem em frente com os seus projetos.

Além de providenciarem financiamento, muitas vezes também transmitem know-how em gestão e estratégia e disponibilizam uma rede de contactos.

O principal objetivo destes investidores passa por rentabilizar o projeto onde investiram capital o mais depressa possível, de forma a reaver o dinheiro e ainda participar nos lucros.

  1.       Crowdfunding

Nos últimos anos, o crowdfunding – que consiste numa modalidade de investimento onde várias pessoas podem investir num determinado projeto – tem ganho cada vez mais adeptos. Também conhecido por financiamento colaborativo, pessoas individuais podem dar pequenos contributos para ajudar os empreendedores a colocar a sua ideia na prática.

E como funciona? É simples: através de uma plataforma online, é apresentada a ideia ao público, a referência ao montante que necessita para a financiar, bem como a data limite para a angariação deste apoio.

Se o projeto conseguir atingir o financiamento solicitado, a plataforma que promoveu a iniciativa recebe uma comissão da empresa (normalmente ronda os 5%). Caso contrário, o empreendedor não recebe qualquer verba do montante angariado.

Existem quatro modalidades de crowdfunding que se diferenciam em função da contrapartida do investimento. Para cada uma delas existem diversas plataformas dirigidas aos diversos nichos de investidores.

a)     Donativo

Nesta modalidade, o financiamento do projeto é feito através de um donativo, podendo ou não ser entregue uma contrapartida não pecuniária. A plataforma Novo Banco Co-Crodwfunding é um exemplo onde funciona esta modalidade, que se destina de forma exclusiva a iniciativas de caráter social.

b)     Recompensa

Como contrapartida ao financiamento obtido, a entidade que recebeu o investimento fica obrigada à prestação do produto ou serviço financiado. A PPL é um exemplo deste tipo de modalidade que, no caso de serem atingidas as metas de financiamento, retém uma comissão do montante angariado.

c)       Capital

Neste caso, a entidade financiada atribui uma participação no capital social, distribui dividendos ou partilha os lucros com o investidor. A Seedrs é um exemplo de uma plataforma de crowdfunding de capital.

d)     Empréstimo

No momento da angariação de fundos é fixado o pagamento de juros que será feito ao investidor. Na prática, a entidade financiada terá de pagar os juros aos investidores assim que o projeto reunir o montante previsto. A Raize é uma das plataformas mais conhecidas desta modalidade.

  1.       Aceleradores de Startups

Desenvolver um novo projeto é sempre uma jogada de risco. As aceleradoras de startups (ou startup accelerators) procuram otimizar a performance de pequenas e médias empresas, apoiando não só em termos financeiros, mas também providenciando formação, networking e outros serviços fundamentais, que permitam ter um crescimento exponencial.

Existem, por exemplo, incubadoras de base local como a que existe em Ponte da Barca que presta apoio desde a fase mais embrionária do projeto até ao lançamento da empresa.

  1.       Competições para Startups e programas públicos

Se tem uma ideia inovadora ou tecnológica e está à procura de algum tipo de apoio para dar seguimento ao seu projeto, existem várias competições nacionais e internacionais cujos vencedores terão acesso a apoios monetários, serviços de mentoria ou formação.

Na Web Summit, por exemplo, existe uma competição que elege a startup mais inovadora da cimeira, em que o vencedor recebe vários tipos de apoio ao desenvolvimento do seu negócio.

Existem também incentivos de caráter público ao desenvolvimento empresarial. O Portugal 2020 é uma iniciativa que disponibiliza mais de 25 milhões de euros para o financiamento de pequenas e médias empresas. Por outro lado, as próprias câmaras municipais também prestam apoio a negócios locais.

As tradicionais fontes de financiamento de empresas – as entidades bancárias – são sempre uma opção. No que toca a crédito pessoal, instituições como a francesa Cofidis podem ceder empréstimos para este fim. No entanto, já são vários os programas, iniciativas e apoios tanto de caráter público como privado, que permitem prestar todos os apoios necessários para dar seguimento à sua ideia de negócio. Analise bem as diferentes oportunidades do mercado e dê asas ao seu projeto.

 



Chinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseSpanish
%d bloggers like this: