Suécia - CEVAL
17524
post-template-default,single,single-post,postid-17524,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
 

Suécia

Suécia

Suécia

Mercado

A Suécia é, atualmente, uma das economias mais desenvolvidas, competitivas e modernas do mundo, conciliando um sistema assente nas tecnologias de ponta com um extenso leque de benefícios sociais e elevados padrões de vida. O país representa, no âmbito da União Europeia (UE), a 6ª maior economia (em termos de Produto Interno Bruto a preços de mercado) e a 3ª no que respeita ao PIB per capita. A excelência do país em termos de investigação e desenvolvimento (I&D) faz da Suécia uma localização atrativa para investidores internacionais em alta tecnologia.
Em 2017, e segundo o Economist Intelligence Unit (EIU) a economia sueca terá crescido 2,7%, impulsionada pelo investimento interno e pelas exportações. Para 2018, a mesma fonte projeta que a economia se mantenha estável, crescendo 2,6%, devendo, para o período 2019-2022, crescer a uma taxa média anual de 2,3%.
No que se refere ao comércio de bens, a Suécia é um parceiro relativamente importante para Portugal, surgindo, em 2017, no ranking de clientes, na 15ª posição, com uma quota de mercado de 0,91%, e no de fornecedores, igualmente na 15ª posição, com uma quota de mercado de 0,94%. No período de 2013-2017, a balança comercial luso-sueca foi sistematicamente desfavorável a Portugal registando, em 2017, um défice de 147 milhões de euros.
As exportações portuguesas para a Suécia apresentavam, em 2017, um grau de concentração relativamente elevado, uma vez que apenas dois grupos de produtos – máquinas e aparelhos (15,6%) e vestuário (15,5%), – representaram 31,1% (31% em 2016) do valor global expedido para aquele mercado.
A Suécia, como membro da União Europeia (UE), é parte integrante da União Aduaneira, caracterizada, essencialmente, pela livre circulação de mercadorias e pela adoção de uma política comercial comum relativamente a países terceiros.
Com uma longa tradição no setor da manufatura, existem várias empresas que se estão a expandir e a localizar no país. Algumas das líderes mundiais na indústria transformadora tiveram origem na Suécia, como é o caso da Volvo e da Scania, agora acompanhadas por várias empresas estrangeiras.
A indústria automóvel tem um grande impacto na comunidade de negócios e na economia. Em 2016 era a maior indústria exportadora da Suécia, com cerca de 14% da exportação de bens e uma participação muito significativa no investimento sueco na indústria. Apesar de contar, apenas, com 10 milhões de habitantes, o país tem dois dos maiores fabricantes de veículos pesados – Scania AB e Volvo Group AB – e o maior fabricante de veículos ligeiros – Volvo Car Corporation.
A indústria do plástico e da borracha, dinamizada pela procura de componentes de plástico e borracha para o setor automóvel, também tem sido impulsionada pelas vendas do setor da embalagem em resultado quer do crescimento da população sueca, quer do reforço da procura de soluções cada vez mais amigas do ambiente, desde a fase de fabrico até ao transporte e reciclagem.
Em 2017, as exportações de moldes para a Suécia aumentaram 33,7%, bem acima dos 7,1% registados pela globalidade do setor e representaram 1,4% do total das exportações portuguesas de moldes. Pela dinâmica dos diferentes setores clientes dos moldes, a Suécia é um mercado com oportunidades interessantes para as empresas portuguesas. e pode afirmar-se que existe uma clara janela de oportunidade para reforçar a sua presença neste mercado.

+ conteúdos sobre a Suécia

08/03/2018

Fonte:AICEP

Partilhar:



Chinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseSpanish
%d bloggers like this: