Artesanato, doces, vinho e fumeiro 100% Alto Minho à distância de um clique - CEVAL
25093
post-template-default,single,single-post,postid-25093,single-format-standard,bridge-core-1.0.4,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-18.0.9,qode-theme-bridge,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 

Artesanato, doces, vinho e fumeiro 100% Alto Minho à distância de um clique

Artesanato, doces, vinho e fumeiro 100% Alto Minho à distância de um clique

Confederação Empresarial do Alto Minho (CEVAL) apre­sentou oficialmente a pla­taforma online para comer­cializar os produtos com a marca 100% Alto Minho.

Designada Alto Minho 2 Market, a plataforma permi­te fazer compras de produ­tos endógenos com o carim­bo 100% Alto Minho que estão divididos entre Artesa­nato, Doçaria, Fumeiro e Vinhos.

Luís Ceia, presidente das CEVAL, indicou que o núme­ro de produtores aderentes à marca subiu e situa-se em cerca de 150.

Na plataforma, estão a operar cerca de 40 produtores e existem cerca de uma centena de produtos referenciados no site.

A ade­são ao site é gratuita e per­mite aos produtores disponi­bilizarem os seus produtos para todo o mundo, sendo que as comunidades da Diáspora portuguesa são os principais enfoques.

Além dos produtos individualmente, no site é possível ainda adquirir cabazes que combinem vários produtos

A CEVAL aproveitou a apresentação do site para apelar à adesão de novos produtores que têm de fornecer um stock mínimo à Confederação para que esta depois o possa comercializar online.

“Esta não é uma marca CEVAL nem um protejo CEVAL, é uma marca da região. Queremos que municípios e associações de desenvolvimento regional e sectoriais ligadas à agricultura e a este tipo de produtos tomem a marca como deles porque o objetivo é a promo­ção do território e para isso tem que haver mais empenho de todos na divulgação da marca, independentemente do concelho. Temos que perder a ideia de quintas e quintinhas e perceber a região como um todo”, afir­mou Luís Ceia.

 

Fonte: SEMANÁRIO ALTO MINHO 27 DEZEMBRO DE 2018



%d bloggers like this: