CEP e ConfMinho apelam aos Governos de Espanha e Portugal o alargamento do AVE entre Vigo e Porto

A alta velocidade para a Galiza abrange uma área maior, mais povoada e com maior potencial de desenvolvimento económico.

Jorge Cebreiros avançou com apresentação de candidatura para obtenção de fundos europeus para dar continuidade ao projeto CoLogistics

Vigo, 4 de maio de 2022. – A Confederação dos Empresários de Pontevedra (CEP) e a Confederação Empresarial da Região do Minho (ConfMinho) vão apelar à intervenção dos chefes de governo de Espanha e Portugal para garantir a execução da linha ferroviária de Alta Velocidade entre Vigo e Porto.

Assim foi manifestado esta manhã pelos presidentes de ambas as entidades empresariais, Jorge Cebreiros e Luís Ceia, respetivamente, em conferência de imprensa em que analisaram as prioridades e preocupações dos empresários da Eurorregião Galiza-Norte de Portugal.

“Na CEP estamos muito entusiasmados com o apoio determinado de Portugal para que o AVE se torne uma realidade em toda a costa atlântica, da Corunha a Lisboa, sobretudo porque representa um impulso muito importante que, após anos de grande austeridade financeira, o Governo de António Costa fez disso uma prioridade”, disse Jorge Cebreiros.

Por seu lado, Luís Ceia explicou que a decisão do governo português assenta no facto de os 400 quilómetros que separam Lisboa de Madrid serem “terra de ninguém” que podem ser percorridos por via aérea. Na sua opinião, carecem da densidade populacional, dos centros urbanos ou do volume industrial necessários para justificar uma linha de alta velocidade com paragens. Por outro lado, um AVE para Vigo preenche amplamente estas condições e, aliás, ligaria Portugal às Astúrias, Cantábria, Castela e Leão e até ao País Basco. O investimento para a Galiza é muito mais rentável, será amortizado mais cedo e terá um retorno mais elevado porque abrange uma área maior, mais povoada e com maior potencial de desenvolvimento económico, asseverou.

A Confederação de Pontevedra, recorda o seu presidente, pediu o mesmo apoio e o mesmo contributo económico e nível de execução para o Corredor Ferroviário Atlântico da UE para as mercadorias que até agora foram entregues ao Corredor Mediterrânico.

Tanto o presidente do CEP como o da ConfMinho mostraram-se dispostos a levar esta exigência aos detentores de infra-estruturas espanhóis e portugueses e, se não houver compromisso, chegar aos chefes de governo.

O desenvolvimento das infra-estruturas logísticas é essencial, pelo que o CEP e a ConfMinho vão insistir nas outras três prioridades que identificaram, para além do AVE entre Vigo e Porto: a Saída Sul, a execução do Corredor Ferroviário Atlântico da UE para mercadorias e a sua ligação aos portos de interesse geral do Estado e, por fim, a ligação à Plataforma Logística Industrial de Salvaterra As Neves (Plisan), que marcará, dizem, um antes e um depois e incentivará os investimentos Empresas portuguesas em território galego.

“O nosso compromisso comum com a Cooperação Transfronteiriça reflete-se no fortalecimento do território, em que mais empresas significam mais emprego e mais bem-estar, sem dúvida”, disse o Presidente do CEP, que anunciou o pedido de continuação da Projeto European CoLogistics , a cargo dos próximos orçamentos Interreg-POCTEP da União Europeia.

Este projeto, no qual participam também como parceiros a Xunta de Galicia, o Porto de Vigo, a Associação Empresarial de Portugal (AEP), o Porto de Leixões e a Câmara Municipal de Famalicão, gira em torno do sector logístico, estratégico para o desenvolvimento económico da Eurorregião Galiza-Norte de Portugal, recordou.

“Acreditamos que é fundamental que a UE defina a sua política industrial e indique em que direção quer avançar para que o tecido industrial europeu passe de 12 para 20% do PIB. Tanto o CEP como o ConfMinho estão comprometidos com o setor automóvel. Acreditamos que é viável a instalação de uma fábrica de baterias na Eurorregião com todas as garantias de viabilidade e sustentabilidade. Apostamos também no Turismo e no Comércio tradicional, que resistiram nestes dois anos muito difíceis”, disse Cebreiros, que está confiante de que as temporadas verão consegue consolidar a contribuição turística para o PIB em cerca de 14% este ano.

Luís Ceia concluiu afirmando, por seu lado, que os empresários demonstraram nos últimos dois anos que estão preparados para aumentar a cooperação e procurar soluções comuns para os problemas que surgem, depois de terem demonstrado a sua capacidade de se reinventar e de cooperar.

Inscreva-se na nossa newsletter.

x
www.mersinmeslek.com - www.izmir24.org - www.escortbursali.com - www.izmirescort.info.tr - www.izmirescort.biz.tr - www.mersinescortelif.com - www.mersinbakliyat.com - www.escort-izmir.org - www.samsuni.net - www.ankara-escort.asia - www.amasyaescort.org - www.istanbulbescort.com - www.izmir-eskort.org - www.eskisehires.com
%d bloggers like this: