CEVAL marca presença em reunião do Conselho Consultivo da AECT do Rio Minho - CEVAL
25960
post-template-default,single,single-post,postid-25960,single-format-standard,bridge-core-1.0.4,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-18.0.9,qode-theme-bridge,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 

CEVAL marca presença em reunião do Conselho Consultivo da AECT do Rio Minho

CEVAL marca presença em reunião do Conselho Consultivo da AECT do Rio Minho

Autarquias do Alto Minho e Galiza lançam marca de destino ecoturístico do rio Minho

O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) do Rio Minho vai lançar, dia 13, uma marca turística com o nome daquele curso internacional de água, para promover a eurorregião Galiza/Norte de Portugal, assente no conceito “Dois países, um destino”.

“Vamos lançar a marca turística do rio Minho, como uma marca de qualidade. Temos um território comum, marcado por um fenómeno geográfico que é o rio Minho, que dá identidade a um e outro lado e que oferece uma paisagem comum, práticas desportivas comuns, gastronomia, meio ambiente. São propostas que vão integrar um destino ecoturístico único assente no conceito dois países, um destino”, afirmou, hoje, o diretor do AECT Rio Minho, Uxío Benítez.

O AECT Rio Minho, com sede em Valença, abrange um total de 26 concelhos: dez da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho e 16 concelhos galegos da província de Pontevedra com ligação ao rio Minho.

O responsável, que falava na Escola Superior de Ciências Empresariais (ESCE), em Valença, no Alto Minho, à margem da instalação do Conselho Consultivo AECT Rio Minho, referiu que o lançamento daquele destino ecoturístico é o projeto “emblemático” da Estratégia do Rio Minho Transfronteiriço 2030.

A Estratégia 2030, elaborada entre 2017 e 2019, “é o principal produto do projeto Smart_Minho, ao abrigo do qual foi criado do AECT Rio Minho, e que é cofinanciado em 75% pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Programa Operativo de Cooperação Transfronteiriça Espanha-Portugal 2014-2020 (POCTEP 2014-2020).

“A Estratégia do Rio Minho Transfronteiriço 2030 não se esgota com o trabalho de redação de dois anos das universidades públicas da eurorregião e das administrações públicas envolvidas. Pretende, sim, ser a porta de um processo estratégico continuado, a médio prazo, que permita ativar o território transfronteiriço numa lógica unitária e coerente. A Estratégia 2030 constitui, portanto, uma ferramenta dinâmica que procura articular as ações futuras no território do Rio Minho Transfronteiriço e que liga a consecução do seu sucesso à cumplicidade da sociedade civil”, lê-se no agenda hoje apresentada e a que agência Lusa teve acesso.

Segundo Uxío Benítez, o documento integra os contributos de “seis universidades, três portuguesas e três galegas, agentes sociais e políticos do território e contem objetivos e ações, que congregam as visões dos dois lados da eurorregião, e que serão concretizadas no horizonte temporal do novo quadro comunitário de apoio, 2030”.

“É um documento vivo que ainda irá incorporar e ser enriquecido com outras iniciativas que venham a surgir”, referiu, sublinhando que a estratégia conjunta foi traçada “sem serem conhecidos os fundos comunitários que estarão disponíveis até 2030”.

O responsável classificou de “muito importante” a instalação, hoje, do conselho consultivo do AECT Rio Minho, composto por 25 entidades portuguesas e galegas, para fazer a “assessoria” daquele agrupamento transfronteiriço.

“Um dos problemas históricos do rio Minho, por ser um curso internacional, é ter muita gente a mandar, mas sem ninguém mandar. Isso dificulta projetos estáveis e estratégicos”, reforçou, acrescentando tratar-se de um território “com muitas potencialidades e geoestratégico por estar situado entre as cidades de Vigo, na Galiza e, do Porto, no Norte de Portugal”.

A secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, Maria do Céu Albuquerque disse ter aceitado o convite para estar presente na instalação daquele órgão para “testemunhar” a cooperação entre os dois países.

“É potenciar um recurso endógeno que é o rio Minho e à volta desse rio e desse potencial endógeno que esta região fronteiriça apresenta juntar uma estratégia para crescemos juntos. O caminho é este”, referiu.



%d bloggers like this: